segunda-feira, 1 de dezembro de 2008



Quando ousei fechar a porta ao nosso amor

Nunca pensei sentir tanta dor,

Vejo os dias como a eternidade

Em que jamais serei tua de verdade.


A minha pulsação é compasso de melodia

Ainda vivo porque escrevo poesia.

3 comentários:

O mar me encanta completamente... disse...

"Ainda vivo, porque escrevo poesia"

Faço dessas tuas palavras, as minhas.

Meu carinho sempre.

Bjos

Glória Salles

Ricky Bar disse...

A lua se foi
Deixando a noite sem graça
Nada mais de marés, altas ou baixas
Nem contos em prosas ou versos
Nunca mais namoros ao luar
Tampouco duetos pra alimentar
Nunca mais seu brilho fugaz voltarei a ver
Na areia escrevo com lágrimas a despedida
Lua que fez parte, morou na minha vida
Que fazia na tristeza brotar meu sorriso
Vá Lua e encontre a alegria,
A magia que merece sem dor!
Lua viva e brilhe noutros lugares
Com felicidade e muito amor!

Jenilson disse...

Ótima poesia, adorei!